Vacina Triviral – Compõe as seguintes vacinas: Rubéola, caxumba e sarampo

 

Rubéola

 

Doença eruptiva altamente contagiosa, causada por vírus, com maior incidência na infância, podendo, em mulheres grávidas, causar malformações no nascituro. Trata-se de uma doença benigna, contudo, e é também conhecida como “sarampo alemão”. Um ataque da doença oferece imunidade permanente.

 

A rubéola é uma epidemia que ocorre juntamente com um surto de sarampo, no começo da primavera, em intervalos de três a quatro anos. É pouco comum a doença afetar crianças menores de quatro anos de idade; ela ocorre sobretudo nos jovens, mas pode ocorrer em qualquer idade. O contágio da rubéola é semelhante ao do sarampo, sendo mais comum a propagação pela saliva e pelo contato direto. O período de incubação dura de duas a três semanas, podendo estender-se por mais tempo. O período infeccioso acontece de um a dois dias antes do aparecimento da erupção.

 

Os sintomas são: um pequeno aumento na temperatura do corpo, coriza e uma ligeira dor de garganta, nos pacientes mais jovens; nas pessoas com mais idade, pode haver dor de cabeça e garganta, inflamação nos gânglios da parte posterior da cabeça e do pescoço e sensibilidade no tato. Depois de um ou dois dias, aparecem as irrupções: primeiro no rosto, no couro cabeludo e atrás das orelhas, disseminando-se por todo o corpo. Estas são de cor vermelho-clara, esparsas e começam a juntar-se. Este período dura três dias.

 

Para o tratamento, recomenda-se bastante repouso até que a temperatura do corpo baixe e a erupção desapareça. Como a doença é contagiosa, o paciente deve ser isolado e os objetos que ele tenha tocado precisarão ser desinfetados. Em se tratando de uma doença provocada por vírus, todo o cuidado precisa ser tomado quanto a infecções secundárias, como a encefalite. Se uma mulher contrair a doença durante os três primeiros meses de gravidez, provavelmente a criança apresentará defeitos congênitos como retardamento mental, malformação cardíaca, catarata, surdez, etc. 

 

Sarampo

 

Caxumba

 

A caxumba ou parotidite é uma doença contagiosa e aguda caracterizada pela inflamação aguda da parótida e também conhecida como trasorelho no Brasil e papeira no norte do Brasil. A parotidite é causada por um vírus, que foi isolado em 1937. Trata-se de uma doença contagiosa, com um grau de transmissão inferior ao do sarampo, por exemplo. Os vírus encontram-se nas secreções da boca e do nariz, na saliva e propagando-se pelo contato que uma pessoa sadia tiver com os objetos pessoais de um doente, tais como talheres, copos, pratos, toalhas, etc.

 

É muito raro que uma pessoa tenha dois ataques de caxumba durante a vida, embora já se conheçam casos em que a doença atacou três vezes uma mesma pessoa. Um ataque, geralmente, provoca imunidade permanente contra a doença já que induz à criação de anticorpos para combatê-la.

 

Devido às suas complicações, esta doença é mais perigosa nos adultos que nas crianças. As crianças são atacadas mais dos cinco aos quinze anos de idade e raramente antes do dez meses. As complicações mais frequentes são as inflamações das glândulas sexuais, originando esterilidade nos homens e inflamações no cérebro. Pode, também, provocar surdez e doenças nos rins. Todavia, a doença é quase sempre benigna, a ponto de as pessoas que a contraem sequer tomarem consciência do contágio.

 

Os primeiros sintomas da doença ocorrem entre doze e vinte e seis dias, após o contágio, quando a pessoa sente uma dor abaixo da orelha, na região das parótidas, precedida por calafrios, febre, dor de cabeça e perda de apetite, provocando inchaços no rosto do doente, quase sempre de um único lado e dura poucos dias. Ao tentar se alimentar a dor aumenta e a temperatura do corpo pode chegar a 40º C, no segundo ou terceiro dia. A febre diminuirá em uma semana, aproximadamente.

 

O tratamento requer repouso e higiene bucal feita com gargarejos com substâncias anti-sépticas. A dieta, depois que a temperatura estiver mais baixa, deverá constar de alimentos líquidos ou suaves como sopa, caldos, etc. Poderão ser aplicadas compressas de água quente no local da dor. O paciente deve ser mantido isolado e as pessoas que tratarem dele não poderão entrar em contato com a sua saliva e nem se aproximar muito do seu nariz e da sua boca.

 

As doenças secundárias, associadas à parotidite desenvolvem-se, geralmente, quando a inflamação ultrapassa as parótidas, podendo resultar em inflamação nos testículos (no homem) ou nos ovários (na mulher). A parotidite raramente é mortal.

 

Para as crianças, não é recomendada a vacinação contra a doença, já que a infecção infantil é quase sempre benigna, a não ser que elas vivam em locais onde se registram muitos casos da doença. Nos adultos, por outro lado, a vacinação é muito importante. A vacina foi descoberta em 1945, obtida a partir da injeção do vírus em ovos.

Voltar