Compilado por Salatiel Alves de Araujo, todos direitos reservados © 1996

Pantanal - Relevo


A Planície do Pantanal ou Depressão Pantaneira ou simplesmente Pantanal possui altitudes que variam, em média, de 100 a 200 metros. Trata-se de um prolongamento, para o norte, da Planície do Chaco (Paraguai). Apresenta-se deprimida, circundada por cuestas e formações soerguidas. As partes mais elevadas, que não sofrem inundações, recebem o nome de "Cordilheiras", as partes mais baixas, sujeitas à inundações, recebem nome de "Baías ou Largos" (onde são encontradas as Lagoas Xaraiés). Rompendo com a monotonia do relevo, aparecem morros isolados, como é o caso do Maciço do Urucum, nas proximidades da cidade de Corumbá. Foram identificados vários padrões de Pantanais, com aspectos estruturais, pedológicos, morfológicos, hidrológicos e de cobertura vegetal.

A paisagem é formada por feições bastante peculiares e de denominação tipicamente regional:

- as "baías" são lagoas temporárias ou permanentes, de dimensões e formas variadas, muito frequentes no Pantanal da Nhecolândia;

- as "cordilheiras" são elevações arenosas, estreitas e alongadas, cobertas de vegetação de cerrado com altura de até dois metros;
- as "vazantes" são escoadouros naturais da água na época das enchentes, com características de curso fluvial intermitente, com vários quilômetros de extensão.
- os "corixos" são pequenos cursos fluviais perenes, de leito próprio, que ligam "baías" contíguas.


Informática, Consultoria e Treinamento Paiaguás

Salatiel Alves de Araujo - Geólogo e Especialista em Sensoriamento Remoto
Comentários para o autor: salatiel@nutecnet.com.br
Todo conteúdo protegido por copyright © 1996
Todos os direitos para a língua portuguesa reservados pela
Informática, Consultoria e Treinamento Paiaguás
All rights reserved.- Revisado: 02 de Junho de 1996
Endereço eletrônico desta página - file://relevo.HTM