A empresa, e além dela

Os quatro elementos da empresa estendida

15 de janeiro de 2003

P edro matou o lobo mas está perdido na selva de siglas, SAP, CRM,XML, HTML, HTTP, e está tão irritado que confunde TCP/IP com PQP e FTP com FDP.Ele não consegue entender o que tudo isso pode fazer por sua empresa. 

Nos velhos tempos a empresa tinha uma administração, que cuidava dos recursos humanos, finanças; tinha um setor que cuidava do produto, desde a concepção até a produção; tinha fornecedores e o mais importante, tinha clientes. E tudo funcionava com pessoas e papéis. 

Com o computador foi possível desenvolver softwares que cuidassem do produto, desde a  concepção na engenharia (CAE), o projeto (CAD) até a produção (CAM). Os processos são controlado por outra espécie de software (PDM). Assim já é possível controlar o ciclo de vida de um produto com o conceito de PLM, o qual engloba todos os anteriores. 

Também foi automatizada a gestão da empresa, com softwares como o SAP (software de ERP, enterprise resource planning, gestão empresarial), que atende principalmente as áreas de produção e finanças. No caso do SAP um grande problema foi a empresa adaptar-se ao software e não o contrário (é importante lembrar que o SAP traz dentro dele uma concepção germânica de uma empresa). 

Outras empresas de software preocuparam-se com a gestão da cadeia de fornecimento (SCM, supply chain managment). Um software de uma empresa como a i2 controla toda a logística de uma empresa. 

Para não deixar de lado o cliente foi criado o software que gerencia o relacionamento com o cliente (CRM, customer relationship management), como o da Siebel. 

Contudo ainda há um problema, os softwares devem ser integrados. Decisões em relação ao cliente tem impacto no projeto do produto, na área financeira e na logística de produção. Mudanças no produto tem conseqüencias financeiras e no relacionamento com fornecedores. Assim seria muito interessante a comunicação entre todos esses softwares. 

É muito comum ter um banco de dados associados a esses softwares, no Vantive é o Sybase e no PLM da IBM/Dassault é o DB2 ou Oracle. Um banco de dados é em última análise um conjunto organizado de tabelas e assim não há maior dificuldade em transportar informação de um para o outro, estabelecendo um canal de comunicação. Falta um meio para essa comunicação. 

O meio aonde é possível a comunicação é a Internet. As tecnologias da Internet (HTTP,HTML,XML,TCP/IP,FTP) são o tijolo e cimento que permitem ligar esses softwares. Concebe-se uma arquitetura que permite voltar aos tempos em que havia apenas gestão, produto, clientes e fornecedores. A complexidade desse trabalho arquitetônico esconde-se através de uma apresentação de fácil utilização, do mesmo modo que o relógio mostra apenas o ponteiro das horas e esconde toda a maquinaria. 

Com a integração pela Internet torna-se natural a criação de um portal na Internet, portal esse com acesso por clientes ou fornecedores, a empresa estendida. Os fornecedores não necessitam mais de arcar com os custos de criação e manutenção de uma infraestrutura tecnológica. Podem apenas ter um micro com Explorer ou Netscape e pagar um aluguel pelo uso da infraestrutura criada pela empresa que executou a integração. 

Quando as fábricas usavam a energia hidraúlica, todos os equipamentos motrizes estavam próximos da fonte de energia, pois a única fonte de transmissão era mecânica. Quando surgiu a eletricidade manteve-se a mesma disposição. Mas percebeu-se que não havia necessidade dessa proximidade e o maquinário poderia ser organizado em uma linha de produção. Assim apesar de ainda termos os quatro elementos, clientes, produto, gestão e fornecedores, os processos baseados em papéis e pessoas devem ser alterados porque agora as pessoas continuam, mas surgiu o computador. 

A empresa hierarquizada e rígida era adequada a era das ferrovias, do papel e da produção em massa de um artigo padronizado. Só uma empresa com os quatro elementos plenamente integrados (produto, gestão,cliente e fornecedor) pode entender plenamente o consumidor e fornecer rapidamente produtos que atendam a esse entendimento. E esta empresa deve além dos quatros elementos contar com a inteligência de seus colaboradores. 

A arquitetura computacional, embora complexa, será uma commodity  com o decorrer do tempo. A inteligência humana será o diferencial na competição, o que agradou muito a Pedro, que entendeu a mensagem desse texto e  de bobo não tem nada. 

Links Página principal Sobre o autor

© 1996-2003 João Alexandre Sartorelli. 
Todos os direitos reservados