As forças unificadas e separadas
As forças unificadas e separadas: se as teorias actuais estão corretas, as forças (sub-atómicas) separaram-se uma por uma a partir duma única superforça unificada conforme o universo nos primeiros momentos de existência, expandío e arrefeceu.
AS QUATRO FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA CHILD SAFE SEAL
Adaptado dum artigo na revista inglesa "Astronomy Now" por Iain Nicolson
As interacções entre partículas sub-atómicas, e o comportamento em larga escala de matéria por todo o universo, são determinadas por quatro forças fundamentais...




AS FORÇAS FUNDAMENTAIS

Há quatro forças fundamentais dentro de todos os átomos, que determinam as interacções entre as partículas individuais e o comportamento em larga escala, de toda a matéria no universo. Estas são a força nuclear forte e a força nuclear fraca, a força electromagnética e a força de gravidade.

A GRAVIDADE

A Gravidade é uma força de atração que actua entre absolutamente todas as partículas no universo. É sempre atrativa, nunca repulsiva. Esta força junta a matéria, é responsável por você ter peso, por maçâs caírem das árvores, por manter a Lua na sua órbita à volta da Terra, os planetas confinados nas suas órbitas à volta do Sol, e por segurar galáxias em grupos.

A FORÇA ELECTROMAGNÉTICA

A força electromagnética determina as maneiras em que partículas com carga eléctrica interactuam umas com as outras, e com campos magnéticos. Esta força pode ser atrativa ou repulsiva. Cargas eléctricas com o mesmo sinal (duas positivas ou duas negativas) repelem-se; com sinais diferentes atraem-se.
A força electromagnética segura os electrões [cargas negativas] nas suas orbitais, à volta do núcleo [carga positiva] do átomo. Esta força mantem os átomos em existencia.
A força electromagnética controla o comportamento de partículas com carga eléctrica e de plasmas (um plasma é uma mistura de quantidades iguais de iões positivos e electrões, negativos) como, por exemplo, em proeminencias solares, laços coronais, luminancias, e outros tipos de actividade solar.
A força electromagnética também governa a emissão e absorpção de luz e outras formas de radiação electromagnética. Luz é emitida quando uma partícula com carga eléctrica é acelerada (por exemplo, quando um electrão passa perto dum ião, ou interactua com um campo magnético) ou quando um electrão desce dum nível de energia mais alto para um mais baixo, num átomo (duma 'órbita' afastada para uma 'órbita' próxima à volta do núcleo do átomo).

A FORÇA NUCLEAR FORTE

A força nuclear forte une protões e neutrões para formar um núcleo atómico e proíbe a repulsão entre protões, carregados positivamente, evitando assim a sua dispersão. A interacção nuclear forte entre protões e neutrões acredita-se que seja um vestígio duma outra força forte básica (que se chama a 'força de côr') que une os quarks em grupos de tres para fazer protões e neutrões.
Por causa da força forte unir as partículas nucleares com tanta adesão, dá-se uma libertação de quantidades enormes de energia quando núcleos leves são fundidos (reação de fusão nuclear) ou quando núcleos pesados são desfeitos (reação de fissão nuclear). A interacção da força nuclear forte é a fonte básica das quantidades vastas de energia que são libertadas pelas reações nucleares que alimentam as estrelas.

A FORÇA NUCLEAR FRACA

A força nuclear fraca causa a degradação radioactiva de certos núcleos atómicos. Em particular, esta força governa o processo chamado declínio beta no qual um neutrão divide-se espontâneamente num protão, um electrão e um anti-neutrino. Se um neutrão dentro dum núcleo atómico decair desde modo, o núcleo emite um electrão (doutro modo também conhecido como uma partícula beta) e o neutrão transforma-se num protão. Isto aumenta (por um) o número de protões nesse núcleo, mudando assim o seu número atómico e transformando-o no núcleo dum elemento químico diferente.
A força nuclear fraca é responsável por sintetizar elementos químicos diferentes no interior de estrelas e em explosões de supernovas, através de processos que involvem a captura e decaímento de neutrões.
Um neutrão é estável (não é radioactivo), e tem vida longa, quando confinado dentro do núcleo atómico. Uma vez que removido do núcleo atómico, um neutrão livre sofrerá decaímento beta, tipicamente em cerca de vinte minutos. O processo de decaímento beta, em reverso, ocorre nos interiores de estrelas em colapso de supernovas, quando protões e neutrões se fundem juntos para criarem as vastas quantidades de neutrões que abundam como produto final do colapso - uma estrela de neutrões.

AS FORÇAS de INFLUENCIA LONGÍNQUA e de INFLUENCIA PRÓXIMA

As interacções nucleares fraca e forte, são efectivas sómente sobre distancias extremamente curtas. O alcance da força forte é cerca de 10e-15 metros e o da força fraca é de 10e-17 metros.
Em contraste, as interacções electromagnética e gravitacional são forças com alcance distante, sendo a sua potencia inversamente proporcional ao quadrado da distancia. Isto quer dizer que se a distancia for dupla a potencia destas forças é reduzida por um factor de quatro. Em princípio, a força gravitacional entre duas massas, ou a força electromagnética entre duas partículas carregadas eléctricamente, não se reduz completamente a zero até a separação entre as massas ou as partículas, fique infinita.
A gravitação é a mais fraca das forças em termos de potencias das várias interacções entre partículas individuais (em ordem decrescente em potencia, as forças são: a força nuclear forte, a força electromagnética, a força nuclear fraca, e a gravitação). Por exemplo, a repulsão electro-estática entre dois protões é 10e36 vezes (um trilião, trilião) maior do que a sua atração gravitacional mutual!
No entanto, por causa das forças nucleares terem uma potencia com um alcance tão microscópico, e a matéria em escalas grandes tende a ser eléctricamente neutra, a gravitação é a força que governa o movimento de corpos celestes como planetas, estrelas e galáxias.

A NATUREZA DAS FORÇAS

Segundo as teorias modernas de quantum, as várias forças fundamentais são transmitidas entre partículas reais por meio de partículas virtuais (partículas que não podem ser detectadas diretamente mas cuja existencia temporária é permitida pelo princípio físico chamado o princípio de incerteza de Heisenberg. As partículas que transmitem a força (que são conhecidas como bosões calibradores) para cada uma das forças são os seguintes: na força electromagnética - fotões; na interacção nuclear fraca - partículas muito massiças 'W' e 'Z' (bosões de vector intermediário); na interacção nuclear forte - entre nucleões, por mesões e entre quarks, por gluões.
Embora não tenho sido possível ainda conceber uma teoria completamente satisfactória de gravitação que explique o comportamento da gravidade duma maneira semelhante, acredita-se no entanto que a gravitação, também, virá a ter a sua própria partícula que transmite a força de gravidade - o gravitão.

As forças básicas da Natureza
FIGURA 2: As forças
básicas da Natureza.
AS FORÇAS UNIFICADAS

Nas temperaturas e energias que existem no universo do presente, as quatro forças são distintas umas das outras e têm potências diferentes. Em energias muito altas, contudo, a situação muda.
Nas energias mais altas alcançáveis com os aceleradores actuais de partículas (as quais correspondem a temperaturas de cerca de 10e15 graus Kelvin), as forças fraca e electromagnética perdem as suas identidades separadas e unificam-se numa única força electro-fraca. Segubdo o que se chamam as Grandes Teorias Unificadas (Grand Unified Theories - GUTs, em inglês), as forças forte e electromagnética comportar-se-ão como uma única força unificada em energias e temperaturas que são cerca dum trilião de vezes mais altas ainda (isto está muito para além da tecnologia presente na Terra).
Embora uma teoria completa ( uma teoria de tudo, em inglês, "Theory of Everything - TOE") que abrange todas as quatro forças não tenha sido ainda alcançada; muitos cientistas de física acreditam que a níveis de energia ainda mais altos, a gravitação unir-se-á com as outras formando uma única 'superforça'. Se esta hipótese está correta, então, durante os primeiros instantes do 'big bang', o universo era dominado pela superforça unificada. De aí em diante, conforme o universo expandiu e arrefeceu (e as energias das partículas deminuíram), as forças separaram-se e adquiriram as suas identidades individuais, a gravitação a cerca de 10e-43 segundos depois do começo do tempo, a força forte a cerca de 10e-35 segundos, e as forças fraca e electromagética a cerca de 10e-11 segundos.
Os Cosmologistas, que se ocupam com a origem, evolução e as estructuras de grande escala do universo inteiro fundamentam-se no trabalho dos físicos que estudam partículas de alta energia para tentarem explicar os estágios-chave na evolução do universo. Por não haver na Terra maneira de se poderem fazer experiências que possam gerar as energias tremendas que são necessárias para testar directamente as Grandes Teorias Unificadas, os físicos que estudam partículas de alta energia procuram observações cosmológicas para tentarem verificar a veracidade, ou doutro modo, das suas teorias. O mundo microscópico de partículas de alta energia e forças fundamentais está inextricávelmente ligado ao mundo das largas escalas de astrofísica e cosmologia.




REGRESSO

Copyright © 1999-2004; Luis M. Luis. All Rights Reserved.