Lipoproteínas Plasmáticas

Lipoproteínas plasmáticas são complexos compostos de proteínas e lipídeos que formam agregados hidrossolúveis. Não há ligação covalente entre eles.

 

Cada tipo tem massa molecular, tamanho, densidade, composição química e função característica.

 

As proteínas são Apo-proteínas, que são típicas para cada lipoproteína

 

As Lipoproteínas são sintetizadas no fígado e no intestino. Quilomícrons e VLDL contém o mais elevado nível de triglicerídeos - são os mais importantes transportadores de energia.

Estrutura Geral

 

No core central há lipídeos neutros: ésteres colesterol e ésteres glicerol (gorduras)

Ao redor existe uma camada de apoproteínas e lipídeos anfipáticos (monocamada lipídica), contendo colesterol livre (não esterificado) e Lecitina (fosfadilcolina). As densidades são inversamente a ao teor de lipídeos: quanto mais lipídeo, menos a densidade.

As Apo-proteínas pertencem a classes designadas por letras (A, B, C, D e E). Os membros de cada classe recebem números romanos (I, II, etc)

Funções das Lipoproteínas

1. Transporte de lipídeos exógenos

2. Transporte de lipídeos endógenos

3. Transporte reverso do Colesterol

Enzimas

 

LCAT: Lecitina:Colesterol aciltransferase

Transfere o acil sn2 da lecitina para o colesterol, gerando éster de colesterol (EC) e lisolecitina.

A reação transforma a molécula polar do colesterol (externo) em um éster apolar (que migra para o core da lipoproteína).

 

Lipoproteína lipase (LPL):

Hidrolisa triglicerídeos (TG) de VLDL e quilomicrons. 

Gera AG + glicerol a nível tecidual. É uma lipase sensível à heparina:após injeção heparina, aumenta a atividade da LDL, pelo deslocamento de seu sítio normal pelo ligante (heparina)

 

Lipase hepática:

Hidrolisa triglicerídeos e fosfolipídeos da HDL (e IDL) nos sinusóides hepáticos.

Figura

Comentário

Metabolismo dos quilomicrons

Os quilomicrons realizam o transporte de lipídeos exógenos.Apo B48, Apo A-I e Apo A-IV são geradas no enterócito e combinam-se com colesterol, fosfoliídeos e triglicerídeos (gorduras) que estão sendo absorvidos.Assim formados, os quilomícrons vão para vesículas secretórias, lançadas do LEC e captadas pelo sistema linfático.

Quilomícrons são gigantescos, refratam a luz (aspecto leitoso "quiloso") e são quase só lipídicos (98 %). Quilomicrons Interagem com HDL, de quem recebem Apo E e Apo C-II. A Apo C-II ativa a LPL, que hidrolisa seus triglicerídeos; o que sobra são "quilomícrons remanescentes", que contém ainda lipídeos da dieta e são captados pelo fígado (e sofrem afinal ação da lipase lisossômica hepática).

Metabolismo da VLDL (e LDL)

 

VLDL faz o transporte de Lipídeos Endógenos, ou seja, aqueles sintetizados e exportados pelo fígado.

 

Apo A, B-100, C e E combinam-se com os lipídeos, sendo liberados pelo fígado como partículas de muito baixa densidade (elevado teor lipídico).

Interage com HDL recebendo mais Apo E e Apo C. Esta ativa a LPL, que hidrolisa triglicerídeos, gerando remanescentes de VLDL (ou IDL, lipoproteínas de densidade intermediária).

 

Parte dos remanescentes de VLDL (IDL) é captada pelo fígado, mas parte sofre ação da lipase sinusoidal, sendo transformada em LDL (a mais aterogênica e rica em colesterol)

No processo, perde triglicerídeos, Apo E e Apo C-II.

A LDL contém a maior parte do colesterol circulante, 75 % do qual na forma de ésteres de colesterol presente no core.

Transporte Reverso do Colesterol: HDL

 

Apo A-I e Apo A-II combinam-se com fosfolipídeos no fígado e intestinos, sendo lançados no plasma na forma de "HDL discóide" (HDL1).

 

Interage com as células, recebendo colesterol, o que a converte em HDL3 ("maduro"). É rica em EC graças à LCAT.

 

HDL3 troca ésteres de colesterol por triglicerídeos da VLDL, com auxílio de "proteínas de transferência".

 

Enriquecida com triglicerídeos, converte-se em HDL2. HDL2 é captada pelo fígado, podendo ser degradada ou liberada na forma de HDL3 de novo.

 

Tamanho relativo entre as diversas lipoproteínas

 

Quilomicrons e VLDL são as maiores e de maior teor de gordura.

 

Os quilomicros têm uma meia-vida de no máximo 30 minutos, o que significa que o clearance seja de 4 a 10 horas.

 

VLDL tem uma meia vida de 1 hora.

 

LDL tem meia vida de 60 horas.

 

Transporte de Lipídeos

 

 

Quilomicros e VLDL fazem o transporte de lipídeos do intestino e fígado, respectivamente, para os tecidos periféricos, ao passo que a HDL faz o transporte reverso, ou seja, da periferia para o fígado.

A reação catalisada pela LCAT

 

A Lecitina:Colesterol AcilTransferase transfere o acido graxo (quase sempre insaturado) da lecitina para o colesterol, gerando lisolecitina e éster de colesteril que, por ser apolar, sai da superfície da lipoproteína e passa a viajar pelo sangue no interior (core).

 

Voltar

1