title.jpg (11289 bytes)


Anatomia da Cavidade Bucal e Língua


CAVIDADE BUCAL

A cavidade bucal pode ser dividida em vestíbulo e cavidade bucal propriamente dita. O vestíbulo é um espaço virtual, pois só é visto se os lábios forem puxados. Quando os dentes estão em contato o vestíbulo se comunica com a cavidade bucal propriamente dita somente por uma abertura, variável, situada entre os últimos molares e o ramo da mandíbula. O ducto parotídeo abre-se no vestíbulo ao nível do segundo molar superior.

A cavidade bucal propriamente dita é a parte de dentro dos arcos dentários, onde fica a língua. Ela é delimitada por seis paredes e pode ser comparada a um cubo. Suas delimitações são: parede anterior formada pelos lábios, duas paredes laterais formadas pelas bochechas, parede superior formada pelo palato duro, parede inferior formada pelo soalho da boca e parede posterior formada pelo palato mole.

PAREDE ANTERIOR

É formada pelos lábios. Os lábios são formados por pele, músculos e mucosa. Estes são delimitados superiormente pelo sulco nasolabial, que separa o lábio da bochecha, e inferiormente pelo sulco mentolabial, que se acentua gradativamente com a idade.

No lábio superior existe uma depressão, denominada filtro, que vem desde o nariz até a parte debaixo do lábio superior. No filtro existe o tubérculo do lábio superior, que é uma saliência. A parte vermelha dos lábios é denominada vermelhão do lábio.

No encontro dos lábios superior e inferior fica a rima bucal. Na extremidade da rima existe o ângulo da boca e a região que contorna o ângulo é a comissura dos lábios. Por dentro dos lábios tem uma camada de submucosa, com glândulas labiais, e mucosa. A mucosa vai em direção aos arcos dentários e em determinadas regiões a musculatura do lábio vai em direção da musculatura alveolar e formam estruturas chamadas de freios. Os freios laterais têm importância na colocação de prótese total.

A mucosa que fica em volta do dente é a gengiva livre. A gengiva inserida é a área rósea, mais clara. A junção mucogengival é a linha que separa a mucosa alveolar e a gengiva inserida.

PAREDE LATERAL

É limitada pelas bochechas, que são formadas principalmente pelo músculo bucinador, cobertas por dentro por mucosa e por fora por pele. O limite posterior da bochecha é marcado por uma dobra que une as extremidades posteriores dos processos alveolares superior e inferior. A dobra é elevada pela rafe pterigomandibular, que é fixa no hâmulo pterigóideo acima e ao trígono retromolar abaixo.

Possui a glândula parótida, que fica superiormente ao músculo masseter, o ducto parotídeo e a glândula parótida acessória. Entre os músculos masseter e bucinador fica o corpo adiposo da bochecha ou bola de Bichat. Este é mais desenvolvido em crianças que em adultos e acredita-se que auxilie na sucção.

PAREDE SUPERIOR

É dividida em uma parte óssea e uma mucosa. A parte óssea é formada pelo palato duro (processo palatino da maxila). A mucosa é muito unida ao periósteo e portando determinada mucoperióstea. Esta mucosa é muito rica posteriormente em glândulas salivares menores; as glândulas palatinas.

Pelo forâme incisivo passam o nervo e os vasos esfenopalatinos que inervam e irrigam de canino a canino. Cobrindo o forâme incisivo existe uma saliência denominada papila incisiva. Partindo da papila sai uma crista estreita, baixa e bem definida que é a rafe palatina. A rafe se estende por todo o comprimento do palato duro. Algumas cristas irregulares partem também da papila incisiva e das partes mais anteriores da rafe, cruzam o palato duro e dirigem-se lateralmente. São denominadas rugas ou pregas palatinas transversas. Existem ainda os forâmes palatinos maiores, por onde passam os vasos e nervos palatinos maiores que inervam e irrigam até o primeiro pré-molar e os forâmes palatinos menores.

PAREDE POSTERIOR

Formada pelo palato mole onde encontra-se a úvula. A cavidade bucal comunica-se com a orofaringe pelo istmo das fauces.

Existem dois arcos na parede posterior da cavidade bucal. O palatoglosso que encontra-se mais anteriormente e o de trás é o palatofaríngeo. A região dos arcos é chamada de fauces, mais popularmente conhecida como goela. Entre os dois arcos existe a fossa tonsilar onde há a tonsila palatina.

A rafe pterigomandibular forma uma prega que se chama prega pterigomandibular. O palato mole é fibromuscular chamado de aponeurose palatina. ( tecido fibroso que fixa-se na parte posterior do palato ).

O músculo da úvula insere-se superiormente na espinha nasal posterior e é um músculo par. A úvula é importante na fonação e na deglutição. O músculo palatoglosso origina-se na aponeurose palatina e insere-se na parte lateral da língua, formando assim o arco palatoglosso. O músculo palatofaríngeo origina-se também na aponeurose palatina e insere-se nas paredes laterais da faringe formando o arco palatofaríngeo. O músculo levantador do palato origina-se superiormente na superfície inferior da porção petrosa do temporal e insere-se na aponeurose palatina. O músculo tensor do véu palatino que insere-se na fossa navicular ou escafóide desce em direção a parte de trás do palato duro. Seu tendão forma a aponeurose palatina.

Os músculos do palato são inervados pelo plexo faríngeo ( a parte motora) formada pelo acessório. O músculo tensor do véu palatino é inervado pelo trigêmio.

PAREDE INFERIOR

É formada pela língua e região sublingual. A língua é um órgão cônico com grande mobilidade, formada por 17 músculos. É formada por 2 partes, o corpo, situado dentro da cavidade bucal propriamente dita e pela raiz, localizada entre a mandíbula e osso hióide.

O corpo é revestido por mucosa. A parte de cima da língua é denominada de dorso da língua. O sulco terminal divide o dorso em 2 partes, a anterior ou oral e posterior ou faríngea. A parte faríngea e chamada de base da língua . Na parte posterior do sulco está o forâme cego, onde origina-se a tireóide.

No dorso da língua estão presentes várias papilas: valadas, filiformes, fungiformes e foliadas. Essas papilas contém calículos gustatórios, que são receptores para sensação de gosto. com exceção das filiformes. As papilas fungiformes na ponta da língua são específicas para a sensação adocicada, fungiformes nos lados da ponta são para salgado, foliadas nas laterais para o amargo e as valadas para o azedo. O nervo facial é responsável pela inervação das papilas. O glossofaríngeo inerva as papilas valadas e o 1/3 posterior da língua.

Na região anterior há o sulco mediano da língua. Na mucosa do terço posterior há a tonsila lingual que está ao lado da tonsila palatina.

A raiz da língua é conectada com o palato pelo arco palatoglosso e com a epiglote pela prega glossoepiglótica mediana. Em ambos os lados desta prega existem depressões de profundidade variável, as valéculas epiglóticas, que são delimitadas lateralmente pelas pregas glossoepiglóticas laterais.

MÚSCULOS INTRÍNSECOS DA LÍNGUA

Estes músculos são compostos de feixe longitudinal, transverso e vertical. Fibras longitudinais são encontradas nas divisões superior e inferior da língua, situadas acima e abaixo, do longo segundo segmento do músculo estiloglosso; correm para a ponta da língua. Fibras transversas partem do septo lingual, em sua maior parte. Desta origem, feixes transversos correm lateralmente imiscuindo-se com feixes de outros músculos intrínsecos. Fibras verticais estendem-se por entre as superfícies superior e inferior da língua, principalmente perto de sua borda lateral, mas fibras também, são dispersas através da língua.

O músculo longitudinal inferior enrola a língua e é lateral ao músculo genioglosso. O músculo longitudinal superior é um músculo ímpar que recobre os outros músculos e levanta a ponta da língua para trás. Os músculos longitudinais alcançam posteriormente o corno menor do hióide.

REGIÃO SUBLINGUAL

A face inferior da língua é revestida por uma mucosa fina (vê-se a veia profunda da língua). A mucosa se prende através de um freio, o freio lingual, que pode travar a movimentação da língua (língua presa). Na parte superior da região sublingual está a mucosa e na parte inferior, o músculo milohióide. Entre a mucosa e o músculo milohióide encontram-se duas saliências, as carúnculas sublinguais, responsáveis pela saída do ducto da submandibular e ducto maior da sublingual.

A glândula submandibular se localiza dentro e fora da cavidade bucal e o ducto sai da parte profunda. A glândula sublingual tem vários ductos que desembocam direto na mucosa. Perto da extremidade anterior do freio uma prega recortada irregularmente pode ser seguida em ambos os lados, lateral e posteriormente, na superfície inferior da língua, são as pregas fimbriadas ou franjeadas.

MÚSCULOS ESXTRÍNSECOS DA LÍNGUA

Genioglosso

Este é o músculo mais forte. Ele parte da espinha mentoniana superior e na superfície posterior da sínfise mandibular. Os músculos de ambos dos lados formam uma placa separados por um septo fibroso.

As fibras anteriores são verticais de sua origem até a ponta da língua e seu terço médio. As fibras posteriores são horizontais para o terço superior e as fibras intermediárias espalham-se entre as margens horizontais e vertical. Isto deixa o músculo triangular quando visto lateralmente. Se insere próximo a borda livre da língua, com feixes mais inferiores ligados ao hióide. É inervada pelo nervo hipoglosso.

Geniohióide

Começa acima da extremidade anterior da linha milohioídea na superfície interna da mandíbula, perto da linha média e lateral incluindo a espinha mental inferior por um pequeno e forte tendão. Se insere na metade superior do osso hióide. É inervado pelo nervo hipoglosso. Puxa o hióide para cima para frente ou faz uma tração na mandíbula para baixo e para trás.

Milohióide

Forma o assoalho da cavidade oral. Os músculos de ambos dos lados são unidos por uma rafe milohioídea. Tem origem na linha milohioídea e se inserem no corpo do osso hióide. É inervada pelo nervo milohióide, rama do nervo mandibular. O músculo milohióide é um elevador da língua.

Palatoglosso

Parte da superfície inferior da aponeurose palatina. Este músculo age como um esfíncter separando a cavidade oral da faríngea, na deglutição e na fala. É inervado pelo nervo vago, pelo plexo faríngeo.

Estiloglosso

Parte da superfície anterior do processo estilóide podendo se estender ao ligamento estilomandibular. É o músculo retrator e elevador da língua. É inervado pelo nervo hipoglosso.

Hioglosso

Parte da borda superior do corno maior do osso hióide e da lateral de seu corpo e corno menor. Os feixes que partem do corno menor são chamados de condroglosso porque a artéria lingual atravessa o músculo hioglosso separando estes feixes do resto. O músculo hioglosso é o depressor da língua e é inervado pelo nervo hipoglosso.