... E a faxina continua!


 

A Watchtower (Sociedade Torre de Vigia no Brasil) continua decidida em sua empreitada de varrer para debaixo do tapete todas as suas antigas interpretações proféticas que envolvam direta ou indiretamente alguma data pré-fixada, que possa causar-lhe constrangimento devido ao não cumprimento da mesma, a última, pelo menos que eu saiba, foi a da "coisa repugnante".

Segundo interpretação anterior, a Sociedade Torre de Vigia afirmava que a profecia de Jesus sobre a destruição de Jerusalém, onde Ele mencionou: "Quando observardes a coisa repugnante...em pé no lugar santo...", tinha um cumprimento duplo, naquele tempo e nos nossos dias. Somente para nos posicionarmos, conforme entendimento da Sociedade Torre de Vigia, as palavras de Jesus se concretizaram como verdadeiras no ano 70 da nossa era, quando o exército romano aniquilou a cidade de Jerusalém não deixando pedra sobre pedra, na realidade cumpriu-se um pouco antes disso, quando os romanos cercaram pela primeira vez aquela cidade. O exército romano significava então a "coisa repugnante" que estava em "pé no lugar santo", por colocar-se contra a cidade que era o centro da adoração de Jeová, portanto no lugar santo Dele. Acontece que inexplicavelmente, ou não, depende do nível de conhecimento de história antiga de cada um, os romanos abandonaram o cerco e retiraram-se, observando isso, os judeus contaminados pelo sentimento ufanista de invencibilidade por serem, ou pelo menos acharem ser, um povo protegido de Deus, imaginaram que tinham amedrontado o poderio romano e estes tinham batido em retirada. Aqueles que se lembraram das palavras de Jesus viram nisso a oportunidade de saírem da cidade e se refugiarem em outros locais ou "montes" simbólicos, então, contrariando o pensamento dos judeus, os romanos voltaram, cercaram novamente a cidade e o resto é história conhecida.

A Sociedade Torre de Vigia, conforme citado acima, afirma que esta profecia tem um cumprimento hodierno, ainda segundo ela, a ONU (Organização das Nações Unidas) - que é a "imagem" ou representação da fera, que por sua vez é o conjunto dos governos políticos humanos - assumiu a condição de atual "coisa repugnante" se colocando "em pé no lugar santo", ao pretender ser o instrumento ideal para trazer paz e segurança ao mundo inteiro, algo que só o Reino de Deus, o verdadeiro "lugar santo" poderia conseguir.

Conforme a interpretação anterior da Sociedade Torre de Vigia, esse "colocar-se no lugar santo" havia se cumprido em 1945, na fundação da ONU, à partir de então as pessoas deveriam aproveitar a oportunidade que se apresentava e fugir para os "montes", no intuito de escapar da grande destruição que se avizinhava. É lógico que neste caso, a própria Sociedade Torre de Vigia seria "o monte" para o qual deveriam se dirigir os que quisessem salvar-se.

Analisando a profecia, vemos que o espaço de tempo decorrido entre o primeiro cerco dos romanos e a destruição final de Jerusalém foi relativamente curto, apesar de se passarem algo em torno de 3 anos entre um evento e o outro, temos de atentar para os problemas logísticos da época ao se movimentar um exército inteiro a pé como era o caso. A história mostra que as legiões romanas retornaram a Roma para sufocar uma rebelião de alguns pretendentes ao poder e voltaram para Jerusalém após estabilizada a ordem no poder central. Foi um período de espera provador para aqueles que haviam abandonado suas casas na cidade e é certo que muitos desistiram, deixando se levar pela falta de fé, e voltaram pagando com a morte sua desobediência as orientações de Jesus Cristo, mas, o período de espera não foi tão longo ao ponto de deixar uma geração inteira esperando angustiada o cumprimento profético.

No caso do entendimento da Sociedade Torre de Vigia era exatamente isto que estava acontecendo, porque, se a coisa repugnante estar em "pé no lugar santo" se cumpriu em 1945, mais de cinqüenta longos anos se passaram, uma geração inteira envelheceu aguardando a destruição deste sistema de coisas e... nada aconteceu!

Isso agora mudou, não com um reconhecimento do erro, ou pelo menos com um "desculpem a nossa falha", mas como uma "nova luz", um "novo entendimento". É claro que nem tudo neste "entendimento" mudou, a ONU continua sendo taxada como a "coisa repugnante", a representação da terrível fera apocalíptica, imagem indispensável para causar medo e terror, não se pode esquecer que o medo ainda é a mais forte, compulsiva e manobrável emoção humana. Mudou apenas a época dela "estar em pé no lugar santo", um leve retoque no quadro antigo, não foi mais em 1945 que a ONU se pôs de pé onde não devia, aliás nem é mais uma data conhecida e fixada, vai acontecer num futuro incerto e insondável, livrando a Sociedade Torre de Vigia do incômodo constrangimento que já lhe causava o tempo excessivamente longo entre o cumprimento de uma profecia - o "estar em pé no lugar santo&quuot; - e o cumprimento da profecia subseqüente: o armagedom.

É a Sociedade Torre de Vigia livrando-se mais uma data comprometedora e é inacreditável como as testemunhas de Jeová aceitam passivamente uma alteração deste porte, sem ao menos uma pequena dúvida sobre a credibilidade e honestidade do chamado corpo governante. Está absolutamente inequívoca a intenção da Sociedade Torre de Vigia de se "desdatar", ou seja, eliminar ou modificar substancialmente uma a uma, paulatinamente, todas as interpretações ou "entendimentos" como ela própria costuma dizer, de profecias nas quais era possível identificar-se alguma data cumprida dentro deste século. O interessante é que não existe nem mesmo a preocupação de se procurar uma explicação no mínimo verossímil, dizer que é uma "nova luz" é o mesmo que dizer "mudou tudo" ou "estávamos totalmente errados", afinal o texto bíblico que se usa para justificar as mudanças diz "...uma luz que clareia mais e mais...", ou em outras palavras, um entendimento que se purifica, que ganha contornos melhor definidos, uma imagem da qual se melhora o foco gradativamente, por exemplo, ao olhar pela objetiva de uma máquina fotográfica fora de foco vemos o contorno embaçado de uma pessoa, à medida em que ajustamos o foco percebemos a melhora na nitidez da imagem e reconhecemos quem esta sendo focalizado, é isto que o texto quer mostrar. A explicação da Sociedade Torre de Vigia é o mesmo que dizer: "Amados irmãos, anteriormente nós estávamos vendo através de nossa objetiva o contorno pouco nítido de um homem, mas ajustamos o foco e creiam, o que estamos vendo nitidamente agora é uma vaca".

O pior disso tudo é que mais de seis milhões de pessoas em toda a terra acreditam! Se não acreditam pelo menos aceitam tacitamente.



Voltar