Onde Fica o Paraíso?

 

As publicações da Sociedade Torre de Vigia apontam para um final deste "sistema de coisas" e o conseqüente estabelecimento de um paraíso aqui na terra em breve. Sempre assim: "em breve". Para reforçar esta idéia, diz-se sempre que as testemunhas de Jeová já usufruem um certo paraíso em sentido espiritual, mesmo que viva pobre e até miseravelmente em determinados países menos favorecidos do globo, o que serve para minimizar o sofrimento destes que esperam ansiosamente o estabelecimento do Reino de Deus por este motivo ou daqueles que sofrem por outros motivos, outros tipos de dificuldades tão comum a todos, mesmo que possuam maiores recursos.

Uma tática bem tramada é a de mostrar que nas sedes da Sociedade, nas filiais e em qualquer construção patrocinada por Ela, aquele que ali estiver ou observar fotos se sentirá no próprio paraíso real, cercado de belos parques e jardins, com belas e confortáveis construções, mais, imaginará que aqueles que vivem no local, os betelitas, já estão mesmo é sob as bençãos reais que o Reino governado por Jesus Cristo irá trazer para os demais apenas num futuro ainda incerto.

Esta foto da fazenda da Sociedade Torre de Vigia localizada em Wilkins, nos Estados Unidos, mostra como existe uma preocupação com a beleza, a ilusão de conforto para quem as vê, a aparência típica com a qual o paraíso é sempre representado nas ilustrações das revistas e outras publicações da Sociedade, basta trocar os prédios ao fundo por uma casa típica de campo, colocar algumas pessoas colhendo frutas, algumas crianças e animais selvagens em posição amigável e teremos uma ilustração pronta do paraíso.

Nesta outra foto o quadro já está mais completo, só faltam os animais e as frutas! Brincadeiras à parte, a verdade é que este recurso tem sido usado nas últimas décadas justamente para causar a sensação citada antes, a de que os lugares físicos da Sociedade Torre de Vigia já são, de certa forma, paraísos reais, concretos, muito mais que o "paraíso espiritual" das demais testemunhas de Jeová, mortais comuns. Alguém que esteja iniciando o estudo para se tornar uma delas e visitar um destes lugares, terá uma impressão ainda mais favorável e este é o objetivo sem dúvida.

Recentemente foi inaugurado um centro de produção multimídia em Patterson, EUA, que é a base da Sociedade Torre de Vigia para os outros tipos de comunicação, para não dizer propaganda, que não a página impressa (apesar de ser o local onde são feitas as ilustrações das publicações impressas). São ou serão ali desenvolvidos produtos como Fitas de Vídeo e Áudio, CDs, CD-ROMs, DVDs e qualquer outro tipo de mídia que possa surgir e ser usado para a divulgação dos ensinos das testemunhas de Jeová.

Olhando estas fotos, podemos chegar a conclusão que a Sociedade se esmerou, ou até se excedeu, no objetivo de construir um local confortável e de visual deslumbrante, no qual alguém pode se sentir no Reino de mil anos e longe das atribulações do velho mundo em que vivemos. A arquitetura, o acabamento, os detalhes, tudo feito com extremo cuidado, provavelmente a um custo astronômico, mas digno de ser um local com a placa da Watchtower Society pendurada na portaria principal.

O leitor acha que o complexo de Patterson não se parece bem com as ilustrações de paraíso que inundam as publicações? É porque as fotos eram da portaria principal (a primeira) e de um dos pátios localizado na parte interna (da torre com o relógio), mas, observe os belíssimos jardins que cercam o complexo. Agora temos um paraíso perfeito, com tudo o que Deus promete, apenas sem um detalhe: a vida eterna sem dor e pranto, que ainda não é possível em Patterson. O resto já é realidade.

Imagine-se o investimento feito no complexo de Patterson desde a compra de uma área tão grande, num local onde a terra não deve ter um custo baixo, afinal é no estado de New York, EUA, passando pelo projeto arquitetônico, aprovação das autoridades, os materiais de construção, a mão de obra (que em boa parte é voluntária mas os operários também se alimentam), o material de acabamento, a jardinagem, enfim, um investimento grandioso, milhões e milhões de dólares foram colocados neste projeto para que ele tivesse a aparência final que foram registradas nestas fotos.

Dinheiro que não é da Sociedade Torre de Vigia. Dinheiro que não é do corpo governante. Dinheiro que é daqueles que sofrem na luta do dia-a-dia para ganhar o pão, trabalhando arduamente para obtê-lo e que o colocaram como contribuição, pagamento de publicações ou de outra forma, muitas vezes até ficando sem o pão propriamente dito na sua mesa. Dinheiro que é daqueles mais privilegiados, que contribuíram sem muitas dificuldades, mas que não deixa de ser fruto do seu "labor e labuta" e que ninguém pode se apropriar e usar de forma leviana sem ter que acertar as contas com Deus no momento adequado.

A Sociedade Torre de Vigia não deveria possuir bens, muito menos edifícios suntuosos e instalações luxuosas. Jesus Cristo, de quem Ela afirma seguir os passos, não os possuía, nem Paulo, nem Pedro, nem João. No entanto, as boas novas foram pregadas naquela época em toda a terra habitada e de forma extremamente eficiente. Concordo que nos nossos dias há muito mais recursos, melhores e mais abrangentes meios pelos quais a mensagem pode ser pregada a ouvidos ou olhos interessados, porém não há justificativa para gastar o dinheiro contribuído construindo beleza e luxo para os olhos, enquanto num prédio simples e bem montado se pode obter os mesmos produtos.

Portanto, se o leitor é uma das testemunhas de Jeová e apesar de lhe dizerem constantemente que vive num paraíso espiritual, talvez esteja cansado de esperar o "em breve" das publicações da Sociedade, quer saber a resposta da pergunta: Onde fica o paraíso? Em Patterson, estado de New York, Estados Unidos da América.