Novo Livro - Mudanças Doutrinais?


 

Na série de congressos de distrito das testemunhas de Jeová do ano de 2002, a Sociedade Torre de Vigia lançou um novo livro chamado “ADORE O ÚNICO DEUS VERDADEIRO”. Na realidade não é um livro novo, é uma releitura, uma atualização ou qualquer outra forma pela qual foi chamado, se é que no lançamento algo foi dito a este respeito, do livro lançado em 1983, sob o nome “UNIDOS NA ADORAÇÃO DO ÚNICO DEUS VERDADEIRO”, o velho conhecido “unidos”, tantas vezes utilizado para dirigir-se estudos bíblicos domiciliares, como segunda literatura, com o objetivo de preparar o estudante para o batismo.

O livro foi totalmente reescrito, porém os princípios básicos explanados na primeira versão foram mantidos. Sentenças inteiras permaneceram inalteradas ou apenas alteradas na sua construção gramatical e na grande maioria, apenas substituiu-se palavras anteriores por sinônimos.

É a mesma matéria, como provam os títulos dos capítulos e até mesmo a introdução do primeiro capítulo é a mesma, como vemos abaixo:

 

 

“ADORE O ÚNICO DEUS”:

Ao redor do globo, há um movimento emocionante em favor de uma adoração unida. Está reunindo milhões de pessoas de todas as nações, tribos e línguas.

 

“UNIDOS NA ADORAÇÃO”:

Em todo o globo existe um movimento emocionante em prol da unidade na adoração. Está ajuntando pessoas de todas as nações, tribos e línguas.

 

 

Mas, há diferenças importantes. Três capítulos inteiros do livro original, o UNIDOS NA ADORAÇÃO, foram suprimidos nesta atualização, fato que não foi explicado pelos editores do livro, a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, e, por este motivo, não deve ser plenamente conhecido pelas testemunhas de Jeová que receberam com alegria a nova publicação, acreditando ser esta mais uma “alimentação do escravo fiel e discreto”, provida no tempo apropriado.

Não é a primeira vez que isso acontece em publicações da Sociedade, mas sempre que ocorre é sinal de que modificações importantes das doutrinas das testemunhas de Jeová estão sendo alteradas e estas mudanças nem sempre são comunicadas de forma uniforme e linear a todos, como num estudo da revista A Sentinela, por exemplo. Às vezes, a mudança é feita e depois o boca-a-boca se encarrega de divulga-la entre as testemunhas de Jeová, assim como se deu no caso das alterações efetuadas em vários pontos do livro “VIVER PARA SEMPRE”. Alguns anos depois de seu lançamento, é provável que muitos, até mesmo nos dias de hoje vários anos depois, nunca chegaram a saber das mudanças sofridas por aquele livro.

A tabela abaixo compara os capítulos similares, com seus respectivos títulos, entre a publicação antiga e a nova:

  

                   UNIDOS NA ADORAÇÃO

                            (livro antigo)

 

                    ADORE O ÚNICO DEUS

                               (livro novo)

 

Cap.

Título

Cap.

Título

 

01

UNIDADE NA ADORAÇÃO – QUE DEVE SIGNIFICAR PARA VOCÊ? 

01

ADORAÇÃO UNIDA EM NOSSOS DIAS – O QUE SIGNIFICA?

02

MAGNIFIQUE A JEOVÁ COMO O VERDADEIRO DEUS 

02

MAGNIFIQUE A JEOVÁ COMO O ÚNICO DEUS VERDADEIRO

03

AGARRE-SE FIRMEMENTE À PALAVRA DE DEUS 

03

APEGUE-SE FIRMEMENTE À PALAVRA DE DEUS

04

AQUELE DE QUEM TODOS OS PROFETAS DERAM TESTEMUNHO 

04

AQUELE DE QUEM TODOS OS PROFETAS DÃO TESTEMUNHO

05

A LIBERDADE USUFRUÍDA PELOS ADORADORES DE JEOVÁ 

05

A LIBERDADE DOS ADORADORES DE JEOVÁ

06

A QUESTÃO COM QUE SE CONFRONTA TODA A CRIAÇÃO 

06

A QUESTÃO QUE TODOS TEMOS DE ENFRENTAR

07

O QUE APRENDEMOS DE DEUS TER PERMITIDO O MAL 

07

O QUE APRENDEMOS DE DEUS TER PERMITIDO A MALDADE

08

“UMA PUGNA CONTRA FORÇAS ESPIRITUAIS INÍQUAS” 

08

“UMA LUTA CONTRA FORÇAS ESPIRITUAIS INÍQUAS”

09

O PODER DA ESPERANÇA DA RESSURREIÇÃO 

09

A FORÇA DA ESPERANÇA DA RESSURREIÇÃO

10

UM REINO “QUE NÃO SERÁ ARRUINADO” 

10

UM REINO “QUE NÃO SERÁ ARRUINADO”

11

“PERSISTA EM BUSCAR PRIMEIRO O REINO” 

11

‘PERSISTI EM BUSCAR PRIMEIRO O REINO’

12

O SIGNIFICADO DE SEU BATISMO 

12

O SIGNIFICADO DE SEU BATISMO

13

UMA GRANDE MULTIDÃO DIANTE DO TRONO DE JEOVÁ 

13

UMA GRANDE MULTIDÃO DIANTE DO TRONO DE JEOVÁ

14

‘FAÇO CONVOSCO UM PACTO PARA UM REINO’ 

 

 

15

COMO DIRIGE JEOVÁ A SUA ORGANIZAÇÃO? 

14

COMO JEOVÁ DIRIGE A SUA ORGANIZAÇÃO?

16

ESCUTE O CONSELHO, ACEITE A DISCIPLINA 

15

ESCUTE CONSELHOS E ACEITE DISCIPLINA

17

“TENDE INTENSO AMOR UNS PELOS OUTROS” 

16

“TENDE INTENSO AMOR UNS PELOS OUTROS”

18

TEMOS DE PRATICAR A DEVOÇÃO PIEDOSA EM CASA 

17

PRATIQUE A DEVOÇÃO PIEDOSA NO LAR

19

O QUE A LEI MOSAICA SIGNIFICA PARA VOCÊ? 

 

 

20

A VIDA E O SANGUE – TRATA-OS COMO SAGRADOS? 

 

 

21

“NÃO FAZEM PARTE DO MUNDO” 

18

“NÃO FAZEM PARTE DO MUNDO”

22

CONTINUE A FALAR A PALAVRA DE DEUS COM DESTEMOR

19

CONTINUE A PREGAR A PALAVRA DE DEUS COM CORAGEM

23

TENHA BEM EM MENTE O DIA DE JEOVÁ 

20

TENHA BEM EM MENTE O DIA DE JEOVÁ

24

O PROPÓSITO DE JEOVÁ TEM GLORIOSO ÊXITO 

21

O PROPÓSITO DE JEOVÁ ALCANÇA UM GLORIOSO ÊXITO

 

Observando-se a tabela, verifica-se que os títulos dos capítulos são os mesmo, apenas com mudanças de palavras, exceto por três deles, que foram simplesmente suprimidos na nova publicação, são eles:

 

-         “Faço convosco um pacto para um reino”

-         O que a lei mosaica significa para você?

-         A vida e o sangue – trata-os como sagrados?

 

Dois deles são temas vitais dentro das doutrinas das testemunhas de Jeová e é importante notar que foi excluído o capítulo contendo as orientações sobre a questão do sangue, por que a Sociedade Torre de Vigia eliminou tais capítulos? Seria como em outras oportunidades, quando ao excluir, ou alterar, trechos de matérias que tratavam de pontos doutrinais, a Sociedade alterou igualmente o seu ensino sobre o assunto?

Torna-se importante analisar o teor de dois dos capítulos excluídos, para se entender os motivos envolvidos.

Capítulo 14: “Faço Convosco um Pacto Para um Reino”.

O ensino sobre a “classe dos ungidos” com esperança celestial, um número exato de 144.000 pessoas, é o pilar central da inteira doutrina da Sociedade Torre de Vigia e retira-lo agora significaria derrubar toda a estrutura.  A Sociedade não adotaria um novo ensino sobre os ungidos, não parece ser esse o caso, até porque envolve ensinos paralelos como o do “restante ungido”, o “escravo fiel e discreto”, motivo básico da existência do Corpo Governante, que por sua vez priva de enorme respeito e, por que não dizer, devoção da parte das testemunhas de Jeová. Além disso, o ensino sobre os 144.000 ungidos permanece em outras partes do livro, levando a conclusão lógica de que a doutrina não será modificada.

Mas a Sociedade Torre de Vigia encontra sérios problemas para explicar a estabilidade no número de ungidos nas últimas décadas, pior, em vez de diminuir, o número daqueles que participam nos emblemas aumentou em diversos relatórios nos últimos anos, como explicar? O livro “UNIDOS NA ADORAÇÃO”, continha algumas informações sobre os ungidos neste capítulo:

 

6 Com o tempo, o número determinado, mas limitado, de 144.000 ficaria preenchido... Quando consideramos o que realmente tem acontecido, parece evidente que a chamada celestial, em geral, foi completada por volta do ano 1935 EC, quando se passou a discernir claramente a esperança terrestre da “grande multidão.

7 Significa isso que ninguém mais está sendo chamado agora por Deus para a vida celestial? Até terminar a selagem final, é possível que alguns poucos dos que têm esta esperança se mostrem infiéis e seja necessário escolher outros para ocupar o lugar deles. Mas parece razoável que isto ocorreria apenas raras vezes.

 

Segundo mostra a matéria, por volta de 1935 o número dos ungidos já estaria completo, cabendo apenas eventuais substituições no decorrer do tempo, entre aqueles que não permanecessem fiéis, mas seria raras, poucas, como é claro no texto.

Pois bem, se considerarmos que alguém para ser escolhido por Deus como um de seus cristãos ungidos por volta de 1935, deveria já ter uma idade suficiente entender o que isto significava e, principalmente, já ser batizado como testemunha de Jeová, podemos concluir com boa precisão que esta pessoa teria a idade de 15 anos ou mais. Sendo assim, teria nascido por volta de 1920 e teria nos dias atuais 80 anos se vivo fosse. Portanto, a grande maioria dos ungidos deve ter hoje uma idade equivalente, ou até mais velhos em muitos casos, exceto em casos de substituições tardias conforme indica o texto e raras, é bom lembrar.

Segundo o censo populacional 2000 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), um dos mais precisos e completos do mundo, a população brasileira ascendia a pouco mais de 170 milhões de pessoas há dois anos atrás. Por sua vez, o número de pessoas na faixa de 80 anos estava em cerca de 200 mil pessoas, ou seja, 0,11% das pessoas vivas do país. Se aplicarmos o mesmo índice no número de testemunhas de Jeová no mundo todo, 6 milhões, encontraremos algo em torno de 7.000 testemunhas com 80 anos ou mais. Este é quase o número dos que participam dos emblemas na comemoração anual da morte de Cristo, cerca de 8.000, mas aqui cabe uma pergunta: Seriam todas as testemunhas de Jeová, que tenham 80 anos ou mais, cristãos ungidos com o Espírito Santo? Isso é muito improvável, visto que muitos se tornaram testemunhas nas décadas posteriores a 1935, já com idades mais avançadas, além de ser obrigatório considerar que o número delas multiplicou-se por seis nos últimos 35 anos. É muito mais lógico e coerente concluir-se que poucos, na verdade um número muito, mas muito menor do que as cerca de 8.000 testemunhas de Jeová considerados cristãos ungidos, seriam parte do grupo completado em 1935, segundo o ensino da Sociedade Torre de Vigia.

Considerando que explicar o número dos ungidos restantes é algo muito complicado para a Sociedade Torre de Vigia nos nossos dias, nada mais natural do que a estratégia de excluir matéria que provoque dúvidas e controvérsias seja adotada. É importante que as testemunhas saibam do ensino sobre os 144.000 ungidos, que saibam que o Corpo Governante é parte destes ungidos e tem autoridade para prover “alimento espiritual”, mas é muito inconveniente falar-se demasiadamente sobre certos detalhes.

 

Capítulo 20: A Vida e o Sangue – Trata-os Como Sagrados?

 

Boa pergunta esta, será que a própria Sociedade Torre de Vigia trata o sangue como sagrado, depois das muitas modificações na sua “lei do sangue”, muitas delas ficando além do entendimento da testemunha de Jeová comum. Nos últimos anos, vários aspectos relacionados com as transfusões de sangue foram alterados, coisas como “frações de sangue” foram liberadas, além da própria transfusão chamada autóloga, quando se usa o sangue do próprio paciente filtrado em um aparelho durante a cirurgia, que foi também admitida. Coisas como estas não eram aceitas de forma concreta há quase 20 anos atrás, quando foi publicado o livro original “UNIDOS NA ADORAÇÃO”, como se pode ver em um parágrafo do capítulo excluído:

 

8 Todavia, a complexidade de alguns processos clínicos talvez suscite questões. Como podem ser resolvidas? Primeiro, peça ao seu médico uma explicação clara do tratamento proposto. Daí, analise isso com oração à luz dos princípios bíblicos. O médico talvez lhe sugira que se retire um pouco do seu sangue e que se o armazene para uso futuro, se necessário, durante uma operação posterior. Concordaria você com isso? Lembre-se de que, de acordo com a Lei de Deus dada mediante Moisés, o sangue retirado duma criatura devia ser derramado no solo. (Deut. 12:24) Não estamos hoje sob o código da Lei, mas a mensagem básica é que o sangue é sagrado e que, quando retirado do corpo duma criatura, deve ser devolvido a Deus por derramá-lo no seu escabelo, a terra. (Veja Mateus 5:34, 35.) Portanto, como poderia ser correto armazenar seu sangue (mesmo que apenas por um período relativamente curto) e depois repô-lo no seu corpo? Mas o que faria se o médico dissesse que, durante a cirurgia ou no decorrer de outro tratamento, seu sangue seria canalizado através dum equipamento fora do seu corpo e então reposto imediatamente? Consentiria nisso? Alguns acharam que podem permitir isso com a consciência limpa, desde que o equipamento seja aprontado com um líquido que não é sangue. Encararam a aparelhagem externa como extensão de seu sistema circulatório. Naturalmente, as situações variam, e quem tem de decidir é você. Mas a sua decisão deve deixá-lo com uma consciência limpa perante Deus - 1 Ped. 3:16; 1 Tim. 1:19.

 

Apesar dos eufemismos usados no texto do livro “UNIDOS” pela Sociedade Torre de Vigia, muito similares aos já tradicionais, “questão de consciência” e “decisão pessoal”, aqui substituídos por “consciência limpa”, qualquer pessoa minimamente alfabetizada vai entender que o texto coloca sérias restrições ao uso de transfusões autólogas, basta ler a sentença:

 

Portanto, como poderia ser correto armazenar seu sangue (mesmo que apenas por um período relativamente curto) e depois repô-lo no seu corpo?”

 

Resumindo, o texto é dúbio, não proíbe terminantemente certos procedimentos em se tratando de transfusões sanguíneas como a do tipo autóloga, porém, contém um fortíssimo componente sugestivo que impeliria qualquer testemunha de Jeová a considerar este procedimento como uma desobediência aos princípios bíblicos e a evita-lo. Isso porque, logo depois da frase quem tem de decidir é você”, aparece outra que diz Mas a sua decisão deve deixá-lo com uma consciência limpa perante Deus”. É evidente que uma testemunha de Jeová, temerosa de tomar uma decisão errada e, mais do que isso, acostumada a receber orientações sobre o que deve fazer em diversas questões semelhantes, não se submeteria ao procedimento citado.

A situação é confirmada alguns parágrafos a frente:

 

12 Quando confrontado com uma situação de vida ou morte, quão míope seria voltar as costas para Deus! Embora apreciemos os serviços de médicos conscienciosos, não procuramos desesperadamente manter a nós ou a nossos entes queridos vivos por mais alguns dias ou anos pela violação da lei de Deus, como se esta vida fosse tudo o que há. Temos fé no valor do sangue derramado de Jesus e na vida eterna que torna possível. Cremos de todo o coração que os fiéis servos de Deus - mesmo os que falecerem - serão recompensados com a vida eterna. - João 11:25; 1 Tim. 4:10.

 

De acordo com o que mostra o texto, não existe nenhum motivo justo para uma testemunhas de Jeová violar a lei de Deus, nem mesmo correndo risco iminente de perder a vida. É óbvio que não existe mesmo nenhum motivo justificável para dar-se as costas a Deus desrespeitando os princípios que Ele cuidou de fazer com que estivessem a nossa disposição na Bíblia Sagrada, mas o fato desta afirmação estar logo após a consideração sobre a transfusão autóloga e inserida no capítulo que trata sobre a condição sagrada do sangue, apenas reafirma o fato de que este era, na época do lançamento do livro “UNIDOS”, um procedimento não recomendado para se dizer o mínimo.

A pergunta persiste, por que então foi eliminado este capítulo?

Seria uma gigantesca incoerência eliminar a matéria orientativa sobre a importante questão do sangue, justamente em um livro que foi lançado com o objetivo de ser a segunda literatura de estudo daqueles que querem se tornar testemunhas e estão sendo ensinados sobre suas doutrinas, porém, há uma explicação lógica para isso.

Os homens que dirigem a Sociedade Torre de Vigia e as diversas entidades jurídicas das testemunhas de Jeová, sabem que é uma necessidade urgente, uma questão de sobrevivência, retirar o estigma que paira sobre a sua religião em países mais desenvolvidos, que é o de ser uma seita destrutiva capaz de induzir seus seguidores a praticar o suicídio. Claro que não se pode comparar a religião e os ensinos das testemunhas de Jeová com as diversas seitas destrutivas que surgiram nos últimos anos, mas o trecho do parágrafo 12, do capítulo 20 do livro “UNIDOS” mostrado acima, contém, aos olhos de não-testemunhas, orientações altamente perigosas que colocam em risco a vida daqueles que consideram os autores da matéria como autoridades irrefutáveis.

Ocorre que a Sociedade Torre de Vigia não pode apenas suspender a proibição sob pena de sofrer inúmeros processos na justiça, de familiares daqueles que obedeceram cegamente suas orientações anteriores e perderam a vida por isso. Além disso, e numa dimensão ainda mais preocupante, seria admissível supor que um grande número de testemunhas de Jeová deixaria de sê-lo após uma mudança de tal magnitude. É uma situação delicada e muito complexa com a qual os líderes das testemunhas de Jeová tem de lidar, por um lado é preciso mudar, por outro lado, não se pode agir abruptamente. A solução encontrada pela Sociedade parece ser a retirada do enfoque dado anteriormente à questão do sangue, sempre considerada por todos como uma característica marcante e identificadora das testemunhas de Jeová. Um diferencial entre as religiões ditas cristãs inventado pelos antigos líderes das testemunhas de Jeová, mas que tornou-se agora um fardo pesado para os novos dirigentes instalados em Brooklyn.

Importante destacar que a minimização da questão do sangue é uma estratégia muito inteligente e funcional, e que não foi iniciada agora, é uma diretriz que vem sendo adotada já há alguns anos, basta observar que antes, nas décadas de 70 e 80, o sangue era assunto de inúmeros artigos e estudos nas revistas e livros da STV, enquanto agora são raros nas páginas de suas publicações. Em adição, os assuntos relativos a questões técnicas das transfusões, antes plenamente conhecidos pelas as testemunhas comuns, os publicadores, tornou-se agora algo quase que restrito a alguns anciãos e membros das COLIHs (Comissão de ligação com Hospitais), pois dificilmente alguma das testemunhas de Jeová saberia dizer exatamente quais frações do sangue são permitidas e quais são restritas hoje em dia, a não ser que esteja diretamente envolvida em algum caso médico relativo a si própria ou a familiares próximos.

Retirar-se a matéria sobre o assunto do livro recentemente lançado, que por sinal não é um livro qualquer, mas o livro que irá consolidar a fé de um estudante da Bíblia preparando-o para se tornar (ou se firmar como) uma testemunha de Jeová, significa que a Sociedade e seus dirigentes não mais desejam que a questão do sangue seja um ensino importante entre os tantos outros que permeiam a sua literatura. Significa que a Sociedade Torre de Vigia lançou no ostracismo um dos mais marcantes aspectos de sua doutrina. Como parte de sua estratégia, lançando para o segundo plano a questão das transfusões sanguíneas, ela estará aos poucos, e sem maiores traumas, permitindo uma cada vez maior abertura no formato do pacote de frações permitidas sem ser questionada por isso, pois não será de conhecimento da maioria a sua política para o sangue. Provavelmente, dentro de poucos anos, as transfusões se tornarão algo comum entre as testemunhas simplesmente porque não será algo importante como os outros ensinos.

 

(*) Os livros citados, UNIDOS NA ADORAÇÃO DO ÚNICO DEUS VERDADEIRO (1983) e ADORE O ÚNICO DEUS VERDADEIRO (2002), são propriedade intelectual da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados.


Voltar