OS DIFERENTES PÚBLICOS E ESPAÇOS DA BIBLIOTECA ESCOLAR: DA PRÉ-ESCOLA A UNIVERSIDADE

 Ursula Blattmann

Departamento de Ciência da Informação

Professora no Curso de Biblioteconomia e no Mestrado de Ciência da Informação
Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis - Brasil 

Curso de Biblioteconomia

E-mail: ursula@ced.ufsc.br

 

Aline de Souza Cipriano

Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis - Brasil

Estudante do Curso de Biblioteconomia – 9. fase

E-mail: alinecipriano@yahoo.com.br

  RESUMO

O artigo focaliza como oferecer suporte informacional no ambiente da pré-escola, séries iniciais, ensino fundamental – médio e superior, ou seja, aos educandos, aos professores e funcionários. Contextualizar a comunidade, as funções e metas da biblioteca para dar suporte ás atividades de ensino e pesquisa mantendo o olhar na qualidade de serviços e produtos prestados. Reflexões sobre a importância da biblioteca no ambiente da escola inserindo novas funções e adaptando-se no uso das novas tecnologias da informação e comunicação. Importância de conhecer a estrutura organizacional e respectiva política interna e externa, identificar as competências e habilidades dos recursos humanos e tecnológicos para propiciar atendimento qualitativo à comunidade. Com base na proposta pedagógica de ensino e ao diagnosticar as condições do acervo confrontando com as necessidades dos usuários são pertinentes estabelecer diretrizes de planejamento anual para desencadear ações na instituição. A biblioteca contribui para o fortalecimento da qualidade do ensino e da pesquisa na instituição. Precisa centrar ações para estimular o prazer da leitura nos diferentes níveis escolares. A leitura estimula a criatividade, desenvolve a compreensão e interfere no desenvolvimento do ser humano. A leitura possibilita a tomada de atitude crítica e intelectual, preparando o indivíduo para as diversidades da sociedade da informação.

 

Palavras-chave: Biblioteca escolar. Biblioteca – ensino superior. Leitura. Bibliotecário.

 

Art. 350

Eixo  temáticos: Biblioteca escolar

Apresentação poster


1 INTRODUÇÃO

Entre as mudanças e transformações ocorridas no sistema educacional brasileiro na década de 1990, especificamente após a implementação da lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, foram estabelecidas diretrizes e bases da educação brasileira, conhecida como LDB, proporcionando o crescimento das entidades educacionais que desenvolvem estruturas atendendo alunos desde a pré-escola ao ensino superior.

No artigo 7 desta lei, constata-se que o ensino é livre à iniciativa privada, desde que atendidas as condições:

I - cumprimento das normas gerais da educaação nacional e do respectivo sistema de ensino;

II - autorização de funcionamento e avaliaçção de qualidade pelo Poder Público;

III - capacidade de autofinanciamento, ressaalvado o previsto no art. 213 da Constituição Federal.

Cabe salientar que os estabelecimentos de ensino devem elaborar sua proposta pedagógica, como visto no artigo 12:

Os estabelecimentos de ensino, respeitados as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: I - elaborar e executar sua proposta pedagógica; II - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros. [...]

Também estão estabelecidos os seguintes princípios:

 Art. 14. Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios:

I - participação dos profissionais da educcação na elaboração do projeto pedagógico da escola;

II - participação das comunidades escolar ee local em conselhos escolares ou equivalentes.

A educação escolar definida pela LDB explicita-se no artigo 21:

Art. 21. A educação escolar compõe-se de:

I - educação básica, formada pela educaçãoo infantil, ensino fundamental e ensino médio;

II - educação superior.

A educação escolar pode ser entendida conforme:

Art. 32. O ensino fundamental, com duração mínima de oito anos, obrigatório e gratuito na escola pública, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante:

I - o desenvolvimento da capacidade de aprrender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;

II - a compreensão do ambiente natural e soocial, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;

III - o desenvolvimento da capacidade de aprrendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores;

IV - o fortalecimento dos vínculos de famíllia, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social.

Enquanto a educação superior tem, como exposto no artigo 43, entre as finalidades de:

I - estimular a criação cultural e o desennvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo;

II - formar diplomados nas diferentes áreass de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua;

III - incentivar o trabalho de pesquisa e innvestigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive;

IV - promover a divulgação de conhecimentoss culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação [...]

Considerando a lei de diretrizes e bases da educação no Brasil e o contexto político-educacional brasileiro, observa-se que instituições de educação básica estão se envolvendo com a educação superior. As mudanças de mercado de ação são decorrentes dos processos da globalização e principalmente da educação vista como um bem de consumo.

Os estímulos na política educacional para o ensino superior, incentivada pela expansão da rede privada, investindo na abertura de faculdades e escolas de ensino privado tiveram um avanço significativo na última década. Instituições de ensino que tinham como nicho de mercado a educação básica se motivaram, entre os fatores de aproveitarem o espaço físico e a estrutura organizacional, lançando-se para a educação superior, abrindo faculdades em diferentes áreas do conhecimento.

Para o credenciamento das instituições de ensino superior, o Ministério da Educação utiliza critérios de avaliação. Sobre bibliotecas, observa-se no artigo 18° do Decreto 2.036, de 19 de agosto de 1997, alínea b do 1° parágrafo que as instituições de ensino superior também tornarão públicos:

b) a descrição dos recursos materiais à disposição dos alunos, tais como laboratórios, computadores, acessos às redes de informação e acervo das bibliotecas.

Enquanto ao credenciamento existem resoluções e portarias específicas, cabe ao bibliotecário conhecê-las e aplicá-las para melhor avaliação perante o MEC. Verificam-se critérios como os estabelecidos na Resolução 10 do Conselho Nacional de Educação – Câmara de Educação Superior, de 11 de março de 2002, no Plano de Desenvolvimento Institucional, a biblioteca deverá conter, conforme descrito no parágrafo 4°:

I - indicação do acervo, formas de sua atuualização e expansão, identificando sua correlação pedagógica com os cursos e programas existentes ou previstos, bem como as obras clássicas, dicionários e enciclopédias, destacando em especial:

a) livros, periódicos acadêmicos e científicos e assinaturas de revistas e jornais;

b) vídeos, DVDs, CD ROMS e assinaturas eletrônicas.

II - descrição do espaço físico incluindo aas instalações para estudos individuais e em grupo;

III - horário de funcionamento, pessoal técnnico-administrativo e serviços oferecidos, tais como, consulta e empréstimo, acesso a redes, a bases de dados, a outras bibliotecas nacionais e internacionais, a consultas e leituras eletrônicas.

 

Andrade e Amboni (1999, p. 12) mencionavam que cabe ao gestor da biblioteca verificar e relacionar a quantidade de exemplares dos livros-texto utilizados em todas as disciplinas do curso e que se encontram disponíveis na Biblioteca (http://www.mec.gov.br/sesu/ftp/curdiretriz/administ/ad_reconh1.doc).

Enquanto os padrões, mencionados por Andrade et al. (1999), envolvem “existência de no mínimo de dois livros citados na Biblioteca Básica dos Cursos de Graduação em Administração”  (http://www.mec.gov.br/sesu/ftp/curdiretriz/Administ/ad_padrao.doc ). Além disso compete :

a)     Fornecer a lista dos principais periódicos (revistas e jornais) assinados pela Biblioteca.

b)     Indicar a política adotada para atualização do acervo de livros e periódicos, bem como de pessoal especializado (bibliotecários e outros).

c)     Indicar a política e facilidade de acesso ao material bibliográfico, fornecendo as seguintes informações:

d)     Horários de acesso;

e)     Forma de acesso e empréstimo;

f)       Facilidades de reservas;

g)     Qualidade da catalogação e disposição do acervo.

h)     Acrescentar ainda as seguintes informações:

i)       Reprografia e infra-estrutura para recuperação de informações:

j)       Formas de acesso à base de dados: internet e outras:

k)     Espaço físico para leitura e trabalho em grupo;

l)       Área física disponível;

m)   Planos de expansão.

 

A busca pela qualidade no ambiente educacional perpassa diretamente pela presença das bibliotecas e bibliotecários competentes. Com isso surgem questões de como atender e oferecer suporte informacional para alunos da pré-escola, séries iniciais, ensino fundamental, médio e superior em um mesmo ambiente? As possíveis respostas estão centradas em como dar suporte as atividades de ensino, pesquisa e extensão, priorizando a qualidade de produtos e serviços prestados pela biblioteca e pelos bibliotecários para sua comunidade educacional.

2 A BIBLIOTECA NO SISTEMA DE ENSINO

Cabe aos dirigentes de cada biblioteca buscar compreender qual a missão, as funções e traçar ações para atender os objetivos estabelecidos. Nas bibliotecas educacionais é necessário conhecer a proposta pedagógica da instituição, caracterizar o ambiente (efetuar o diagnóstico da instituição) e identificar o perfil das necessidades da comunidade educacional para estabelecer quais as demandas informacionais e propor serviços e produtos qualitativos na instituição educacional.

Ao aproveitar a estrutura operacional, isto é, utilizar ao máximo o espaço para os três turnos diários (manhã, tarde e noite), requer mudanças envolvendo a gestão das pessoas (treinamento, horários e atividades), utilização de recursos da tecnologia da informação para dinamizar os serviços e produtos como o controle de empréstimos e reserva eletrônico, disponibilizar o catálogo on-line para facilitar as consultas ao acervo e incrementar o atendimento da biblioteca. Se antes eram crianças e adolescentes que freqüentavam este ambiente, agora cabe ao bibliotecário planejar e administrar a biblioteca para atender também aos estudantes e professores do ensino superior. Convém lembrar da importância do acolhimento do bibliotecário para com seus leitores em ser um momento agradável, educador, humano e pertinente.

De acordo com Ferreira (1980).

[...] assim como a universidade deve estar voltada para as necessidades educacionais, culturais, cientificas e tecnológicas do país, as bibliotecas devem trabalhar visando esses objetivos, condicionada que são as finalidades fundamentais da universidade. Por isso as bibliotecas devam, participar ativamente do sistema educacional desenvolvido pela universidade.

O processo de adaptação requer competências, habilidades e atitudes de todos os envolvidos na gestão da biblioteca. Significa acompanhar as alterações da realidade educacional, econômica, social e as demandas culturais.

O ambiente da biblioteca precisa estar adequado para oferecer oportunidades de ampliar conhecimentos dos educandos, de planejar e executar atividades para incentivo da leitura e da pesquisa de sua comunidade indiferente se iniciantes ou pós-graduados.

As bibliotecas que prestam serviços e produtos tanto para a comunidade da educação básica e do ensino superior são denominadas por Mattos (2005) de mistas (bibliotecas escolares-universitárias). Estas têm como funções priorizar atividades para o desenvolvimento do ser humano. Isto significa que precisam acompanhar as propostas do elenco das disciplinas, acompanhar as necessidades informacionais da comunidade educacional. A finalidade da instituição educacional consiste em preparar o educando para interagir na sociedade, contribuindo para o seu desenvolvimento intelectual e pessoal. 

Com a lei 10.861, ficou instituído o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES, e a preocupação dos bibliotecários passa a se concentrar na pontuação da avaliação (40%), assim recomendações de como preparar a biblioteca para avaliação do MEC descritas detalhadamente no artigo de Barcelos e Gomes (2004) auxiliam nesta árdua e importante tarefa. Certamente quem ganha é a comunidade educacional.

Graça Maria Fragoso (2005, p 47) diz que a biblioteca “é o coração da escola, concedendo vida à comunidade escolar, uma vez que permanece em constante sintonia com o processo pedagógico.”

E para o bibliotecário, já 1994, Graça Maria Fragoso (1994) mencionava que é necessário promover a produção de textos, incentivar o leitor a recriar o que vivência e nesse ambiente dinâmico incorporar as novas tecnologias de informação e comunicação. Certamente haverá espaço para bibliotecários pró-ativos, envolvidos com ações e não tantos discursos ocos.

Assim, a biblioteca no ambiente educacional tem como função desenvolver também atividades de ensino, cultura e lazer, além de despertar o gosto pela leitura, preparando o indivíduo para assumir uma atitude crítica aos problemas de uma sociedade mutante e trans-nacional.

 

 

2.1 O perfil do profissional bibliotecário

O bibliotecário ativo na escola é aquele que participa da elaboração do currículo da escola. Esse torna a sua biblioteca um diferencial, notado e conseqüentemente faz a diferença e acaba atraindo investimento para a sua biblioteca.

O bibliotecário no ambiente educacional precisa estar apto a desenvolver o papel de educador quando criar políticas internas para incentivar a prática cultural na biblioteca entre as quais em organizar mostras culturais, contação de histórias, sessões de teatro e cinema, dia de autógrafo com autores, gincanas de leitura e interpretação, criação de textos entre outros. Quando fizer da biblioteca um espaço divertido, agradável, aconchegante, um ambiente prazeroso e conquistando novos leitores. Assim, envolvendo-os nas atividades e fazendo que se torne um programa agradável e habitual em visitar a biblioteca para realizar pesquisas ou efetuar leituras diversas. Esta será com certeza a biblioteca sonhada por muitos, porém, realizada no momento por poucos.

O bibliotecário precisa agir para favorecer práticas de leitura de diferentes fontes de informação, propiciar espaços de leitura e minimizar a exclusão social. Lembrando a importância da aculturação digital para todos. 

2.2 Biblioteca no Sistema de Ensino Barddal

A Biblioteca (http://www.barddal.br/index.php?codpagina=174 ) do Barddal Sistema de Ensino (http://www.barddal.br ) localizada em Florianópolis tem por finalidade reunir, organizar e disseminar informações para oferecer suporte a alunos, professores e funcionários na realização de suas atividades acadêmicas. Proporciona mecanismos que visem estimular o uso de seu acervo e incentivar a leitura. Esse ambiente cria oportunidades para a concretização da missão institucional de oferecer um ensino de qualidade, através de um fazer inserido na relação teórico-prática, visando à formação de cidadãos éticos e comprometidos com o desenvolvimento comunitário. 

            A biblioteca possui área de 254m² , sendo: 58m² para distribuição de 66 estantes de aço com altura de 2m para livros, 16 para periódicos e 2,73m² para mapoteca suspensa; 138m² para distribuição de 12 mesas de estudo com capacidade para 108 alunos sentados e 48 escaninhos com chave para guarda-volumes; 19m² para sala do “Projeto de Leitura”, das 1ª à 4ª séries do Ensino Fundamental, que abriga 9 estantes de madeira com altura de 1m; 19m² para abrigar o setor técnico-administrativo, com 3 escrivaninhas para trabalho, 4 arquivos e 4 estantes de aço onde são guardados recortes e materiais especiais (audiovisuais).

A biblioteca dispõe de equipamentos para facilitar os processos administrativos, técnicos e de atendimento: 1 computador para pesquisa na Internet; 1 computador para busca na base de dados (Catálogo Eletrônico); 1 computador para empréstimo; 2 computadores para serviços técnico-administrativos; 1 impressora jato de tinta para serviços técnicos;1 impressora matricial para empréstimos; 1 leitor óptico;  1 vídeo cassete e 1 catraca eletrônica.

            O acervo possui cerca de 25.000 obras disponíveis na biblioteca e pode ser consultado nos terminais locais ou através da Internet (http://biblioteca.barddal.br/webmarc/barddal/ ).  Oferece também serviços de empréstimos automatizados e renovações e reservas on-line.

O acervo é composto por mais de: 4.397 títulos de literatura infanto-juvenil, 3.926 títulos de nível superior, preferencialmente nas áreas de Ciências Humanas e Exatas; 713 obras de referência; mais de 8.000 livros didáticos e paradidáticos de níveis Fundamental e Médio (agrupados conforme seus assuntos específicos); 153 mapas e pranchas científicas; 670 fitas de vídeo; 166 fitas cassete; 274 CDs e CD-ROMs; 3.850 artigos de periódicos indexados; 340 títulos de periódicos cadastrados, dos quais 70 assinaturas, totalizando mais de 13.200 exemplares.

A participação do bibliotecário é fundamental no projeto político pedagógico, pois poderá traçar um planejamento estratégico das ações para o ano seguinte, como datas cívicas, comemorações e demais festividades da comunidade. Além do mais o bibliotecário precisa deixar tempo para desenvolver atividades dependendo das necessidades no decorrer do ano letivo, como dinamizar ações leitoras diferenciadas entre os quais os murais temáticos, o curso de contação de histórias aos estudantes das séries iniciais, atendimento aos pais.  Para isto acontecer a equipe da biblioteca conta com: 1 bibliotecária com especialização; 1 bibliotecária com graduação; 1 auxiliar de biblioteca; 2 estagiárias do Curso de Biblioteconomia e uma faxineira.  O horário de atendimento é de segunda às sexta-feira, das 7h30min às 22h e aos sábados, das 8h às 12h.  Destacando-se como o espaço mais tempo disponível ao atendimento da comunidade educacional, pois secretaria e demais ambientes tem horários reduzidos.

No quadro 1 se apresenta o perfil das necessidades informacionais da comunidade do Sistema de Ensino Barddal:

Comunidade

Número de usuários

Necessidade informacionais

Pré-escola

estudantes

 

152

Hora do conto, livros infantis: livro de pano e fantoches.

Ensino fundamental

estudantes

 

 

422

Hora do conto, livros infanto-juvenis, jornais locais e nacionais, revistas educacionais, literatura clássica e brasileira, didáticos, técnicos, dicionários, enciclopédias, Atlas, mapas , DVDs , VHS e CD-ROMs.

Ensino médio

estudantes

 

 

116

livros infanto-juvenis, literatura clássica e brasileira, jornais locais e nacionais, revistas educacionais, didáticos, técnicos , dicionários, enciclopédias,  Atlas, mapas , DVDS , VHS e  CD-ROMs. 

Ensino superior

estudantes

Professores

 

422

47

Livros da literatura clássica e brasileira, periódicos (jornais técnicos e científicos), jornais locais e nacionais, didáticos, técnicos , dicionários, enciclopédias,  Atlas, mapas , DVDS, VHS e CD-ROMs.

Quadro 1: Necessidades informacionais da comunidade do Sistema de Ensino Barddal

A comunidade educacional pode acessar além da biblioteca os recursos informacionais disponibilizados no laboratório de informática. 

2.3 A leitura no ambiente educacional

A leitura e a escrita são processos de aprendizagem singulares de cada indivíduo. Não basta que o sujeito aprenda ler e escrever nos primeiros anos escolares e depois não faça uso da mesma para conviver na sociedade. É necessário estimular estes processos ampliando as atividades pedagógicas do ambiente educacional. Caso contrário haverá um déficit na capacidade do sujeito em saber lidar com informações e consequentemente dificultar a apropriação e a geração de conhecimentos.

Graça Maria Fragoso (2004, p. 168) expõe:

O processo de alfabetização de crianças e adultos é um exemplo das diferenças entre leituras. Para a criança, a leitura das palavras é novidade que abre as portas para o mundo do conhecimento. Para o adulto, o aprender a ler as palavras é oportunidade de ordenar e estabelecer uma lógica na organização do mundo, ampliar as possibilidades de interpretação. Porém, para esse adulto, não é ponto de partida.

Ler, portanto, é analisar e buscar compreender as mudanças. Objetiva interpretar o que foi registrado. Entretanto, como se posiciona o leitor , hoje, em uma sociedade tão sobrecarregada de informações e informatizada?

No Brasil são realizadas avaliações do ensino básico e superior. Cabe destacar que a média de desempenho em Língua Portuguesa, entre os anos de 1995-2001, apresentou queda de 10% (SAEB/MEC 2004, p. 9). Conforme o estudo do MEC/INEP esta situação expõe que:

Algumas características dos alunos brasileiros ajudam a entender o problema. Os estudantes de desempenho “muito crítico”, em sua maioria, 76%, estão matriculados no ensino noturno, 96% em escolas públicas, 48% conciliam trabalho e estudo e 84% têm idade acima da considerada ideal para a série. São filhos de mães com baixa escolaridade. O perfil dos estudantes com desempenho “adequado” é quase o oposto. A maioria, 76%, estuda na rede privada de ensino, 89% freqüentam aulas no período diurno, 87% somente estudam e 84% não apresentam distorção idade/série. São filhos de mães de maior escolaridade: 80% delas têm, no mínimo, o ensino médio. O ensino é mais ineficaz justamente para os estudantes mais carentes.

  Pacheco e Araújo (2005) descrevem aspectos da avaliação apresentados no quadro 2 referente ao SAEB/MEC de 2004.

 

AVALIAÇÕES DO SAEB/MEC 2004

 

 

4ª série do Ensino Fundamental

8ª série do Ensino Fundamental

3ª série do Ensino Médio

 

Estágio

 

 

2001 (%)

 

2003 (%)

 

2001 (%)

 

2003 (%)

 

2001 (%)

 

2003 (%)

Muito crítico

22,2

18,7

1,9

4,3

4,9

3,9

Crítico

36,8

36,7

20,1

22,0

37,2

34,7

Intermediário

36,2

39,7

64,8

63,8

32,5

55,2

Adequado

4,9

4,8

10,3

9,3

5,3

6,2

Total

100,0

100,0

100,0

100,0

100,0

100,0

Quadro 2: Adaptado do MEC/INEP/SAEB (2004)

Analisando o quadro 2, pode-se dizer que os estudantes desenvolvem habilidades de leitura muito elementares e que nos diferentes níveis os mesmos estão sendo acumulados déficits educacionais (como dificuldades de leitura e interpretação de textos de gêneros variados) em longo prazo e isto certamente influenciará no perfil dos estudantes do ensino superior.

Os “adequados” conforme o documento do INEP/MEC (2004, p.9)

[...] somam 5%. São os que demonstram habilidades de leitura de textos argumentativos mais complexos. Relacionam tese e argumentos em textos longos, estabelecem relação de causa e conseqüência, identificam efeitos de ironia ou humor em textos variados, efeitos de sentidos decorrentes do uso de uma palavra, expressão e da pontuação, além de reconhecerem marcas lingüísticas do código de um grupo social.

A importância da biblioteca no ambiente educacional deveria ser um espaço para desenvolver e aprimorar as competências de leitura e escrita dos educandos, isto é, a biblioteca tornar-se-á indispensável e contribuirá positivamente no fortalecimento da aprendizagem e pesquisa na educação básica e da educação superior.

3 CONCLUSÕES

A leitura estimula a criatividade, desenvolve a compreensão e interfere no desenvolvimento do ser humano.  As bibliotecas são espaços de acesso e uso da informação e também realizam ações para promover a leitura em diferentes níveis conforme os perfis da comunidade.

A leitura possibilita a tomada de atitude crítica, cientifica e intelectual, preparando o indivíduo para as diversidades da sociedade, e interfere diretamente nas experiências de vida das pessoas, bem como na sensibilidade e personalidade de cada pessoa.

O interesse pela leitura dar-se-á na infância, deve ser despertada no educando pela escola na interação professor-bibliotecário, uma vez que estes deverão indicar e incentivar o gosto pela leitura de toda a comunidade.

O conceito de bibliotecas mistas (bibliotecas escolares e de ensino superior) surge da necessidade de atender no mesmo ambiente da biblioteca usuários das séries iniciais ao ensino superior, tendo em vista a mudança de cliente de algumas instituições de ensino. A biblioteca mista tem pôr prioridade fazer do usuário a base de sua orientação e concepção direcionando o seu acervo e seus recursos informacionais visando atender as necessidades informacionais desse público. 

Entre os problemas enfrentados pelas bibliotecas mistas destaca-se a importância para atender com qualidade todos os níveis educacionais e faixas etárias.

Ao considerar os dados da avaliação realizada pelo MEC o bibliotecário precisa saber como atender os déficits educacionais; gerenciar o espaço físico;  e, desenvolver atividades de incentivo à leitura e à escrita. 

            A biblioteca, indiferente se no ambiente educacional, empresarial, na comunidade, precisa centrar ações para estimular o prazer da leitura nos diferentes níveis.


DIFFERENT USERS AND SPACES AT THE SCHOOL LIBRARY: FROM K-12 TO COLLEGE

 

ABSTRACT

The article focuses how  to offer information resources to support classes between the k-12 (kindergarten, elementary school,  high school) to college , there students, professors and employees. Important is to context the necessities from the community, the functions and goals about the library to give the best information support to help educational activities and impulse the research skills to use and improve the library services and products that are the educational quality. Reflections about the library at this educational environment by inserting new functions and changes because the increase the use of new information and communication technologies. It´s important  to understand the organizational structure and also the internal and external politics, perceive abilities and competencies from the working team, and knowing the technological facilities to provide qualitative services to the educational community. Starting with basic  pedagogical proposal of education program, using the collection diagnostics and analysis the users needs is a way to meet directions for better actions an the institution annual planning. The library contributes to support the education’s quality  and develop research skills an the educational institution. It needs to focus actions to stimulate the reading pleasure at the different school levels. The reading abilities and competencies stimulates the creativity, develops understanding and intervenes positive to  development  the human being. Reading abilities makes possible to taking a critical and intellectual attitude, preparing the individual for the diversities of the information society.

Keywords: School library. College libraries. Reading. Librarian.

 

Agradecimentos

Agradecemos em especial a bibliotecária Ana Luiza de Oliveira Mattos, do Sistema de Ensino Barddal e também aos dirigentes da respectiva instituição educacional por permitirem a divulgação dos dados e demais informações.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de et al. Padrões de qualidade para Cursos de Graduação em Administração. 1999. Disponível em: < http://www.mec.gov.br/sesu/ftp/curdiretriz/Administ/ad_padrao.doc > Acesso em: 13 maio 2005.

ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de; AMBONI, Nério. Reconhecimento de Cursos de Administração (rol de informações que devem ser providenciadas pela instituição). 1999. Disponível em: < http://www.mec.gov.br/sesu/ftp/curdiretriz/administ/ad_reconh1.doc > Acesso em: 13 maio 2005.

BARCELOS, Maria Elisa Americano do Sul; GOMES, Maria Lúcia Barcelos Martins. Preparando sua biblioteca para avaliação do MEC. IN: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 13. Anais ... Natal:  2004. CD-ROM.

BRASIL. Casa Civil.  Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Disponível em: <  https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.861.htm > Acesso em: 13 maio 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior.  Resolução 10, de 11 de março de 2002. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/CES102002.pdf > Acesso em: 13 maio 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Biblioteca básica para cursos de graduação em administração.  Disponível: < http://www.mec.gov.br/sesu/ftp/curdiretriz/administ/ad_bibl.doc > Acesso em: 13 maio 2005.

BRASIL. Decreto n. 2.306, de 19 de agosto de 1997.  Disponível em: <http://legislacao.planalto.gov.br/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/dec%202.306-1997?OpenDocument > Acesso em: 13 maio 2005.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.  Disponível em: < http://www.mec.gov.br/seed/tvescola/ftp/leis/lein9394.doc>,  Acessado em 10/05/05.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.  Disponível em: < http://legislacao.planalto.gov.br/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/lei 9.394-1996?OpenDocument  > Acesso em: 13 maio 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Educação e Pesquisas - INEP. Qualidade da educação: uma nova leitura do desempenho dos estudantes da 3ª série do ensino médio. Brasília , 2004. Disponível em: < http://www.inep.gov.br/download/saeb/2004/qualidade_educacao.pdf >

FRAGOSO, Graça Maria. A biblioteca escolar: tecnologia da emoção. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 2, n. 9, p. 52-57, maio/jun. 1996. Disponível em: < http://geocities.yahoo.com.br/gra_fragoso/textos/emocao.html >   Acesso em: 16 maio 2005.

FRAGOSO, Graça Maria. A bela adormecida precisa acordar. In: MACEDO, Neusa Dias de (org.) Biblioteca escolar brasileira em debate: da memória profissional a um fórum virtual. São Paulo : SENAC / CRB8, 2005. p. 46-50.

FRAGOSO, Graça Maria. Biblioteca e escola : uma atividade interdisciplinar. Belo Horizonte: Ed. Le, 1994. 68p.

FRAGOSO, Graça Maria; DUARTE, Rogério. Livro, leitura, biblioteca ... uma história sem fim. Revista ACB Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 9, p. 166-170, 2004. Disponível em: < http://geocities.yahoo.com.br/gra_fragoso/textos/sem_fim.html>. Acesso em: 15 maio de 2005.

MATTOS, Ana Luiza de Oliveira. Biblioteca do Sistema Barddal de Ensino. Florianópolis, 6 maio  2005. Entrevista concedida a Aline Cipriano e Ursula Blattmann.

PACHECO, Eliezer; ARAÚJO, Carlos Henrique. Avaliação da Educação Básica . 2005. Disponível em: < http://www.inep.gov.br/imprensa/artigos/artigo_01_05.htm > . Acesso em: 13 maio de 2005.

*******************************************************

BLATTMANN, Ursula; CIPRIANO, Aline de Souza. Os diferentes públicos e espaços da biblioteca escolar: da pré-escola a universidade. In: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação  e Ciência da Informação, 21., Anais... 2005, Curitiba, 2005. CD-ROM . Disponível em: http://www.reocities.com/ublattmann/papers/p12.html

Endereço de página espelhada  Geocities:
http://www.reocities.com/ublattmann/papers
Última atualização realizada em 03/08/2005  por Ursula Blattmann
Endereço original no
Centro de Ciências da Educação:
 http://www.ced.ufsc.br/~ursula/papers/
Disponibilizado em 09 de fevereiro de 1998

Voltar Ursula Blattmann Universidade Federal de Santa Catarina -   mailto:ursula@ced.uffsc.br
Departamento de Ciência da Informação - Instituto de Pesquisas Biblion - Laboratório de Fontes de Informação

Campus Universitário - Trindade
88040-900 - Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
Telefone 55 - 048 - 331 9304 (Secretaria CIN) ou 331 8709 ramal 21
Copyright © 1998-2005  Ursula Blattmann E-mail: ursula@ced.ufsc.br 

Atenção usar e-mail de emergência : ublattmann@yahoo.com